Notícias

Loading...

sexta-feira, 9 de abril de 2010

ORTOGRAFIA E CRASE

Amados A PAZ!
Segue mais uma de nossas aulas.

HÁ ou A?
Há (De verbo haver) só poderia ser usado caso se referisse a um tempo já transcorrido.
A (Preposição) Quando a idéia for de “tempo futuro” ou “distância”.
Exemplos:
1. Estudo há três anos.
2. Há três noites eu não durmo.
3. Voltarei daqui a três meses.
4. A vitória sempre chega.

A CERCA DE, ACERCA DE, HÁ CERCA DE?
A cerca de = A (Preposição) + Cerca de (Aproximadamente, perto de)
A cerca de = A (Artigo) + Cerca (Substantivo) + De (preposição)
Há cerca de = Há (Verbo) + cerca de (aproximadamente, perto de)
Acerca de = A respeito de, sobre
Exemplos:
1. Estamos a cerca de dez quilômetros do estádio.
2. A cerca de arame farpado foi cortada.
3. Não nos vemos há cerca de dez anos.
4. Há cerca de dez pessoas na sala.
5. Falávamos acerca do jogo.

CESSÃO, SESSÃO, SECÇÃO, SEÇÃO?
CESSÃO = ceder.
SESSÃO = reunião
SECÇÃO/ SEÇÃO = repartição
Exemplos:
1. Os herdeiros participaram do ato de cessão.
2. Os homens do governo farão uma sessão secreta.
3. Veja a notícia na Folha Online, na seção/secção “Dinheiro”.

ABAIXO, A BAIXO?
ABAIXO = Embaixo, sob
A BAIXO = Para baixo, até embaixo.
Exemplos:
1. Sua classificação foi abaixo da minha.
2. Ela me olhava de alto a baixo.

A FIM, AFIM?
Afim = Semelhante
A fim = com o propósito de, para
Exemplos:
1. As duas têm pensamentos afins.
2. Veio a fim de trabalhar.

A PAR, AO PAR?
A par = Estar ciente.
Ao par = Título ou moeda de valor idêntico.
Exemplos:
1. Ele está a par de tudo.
2. O Câmbio está ao par do dólar.

AO ENCONTRO DE, DE ENCONTRO A?
Ao encontro de = A favor, em conformidade.
De encontro a = Ir contra, idéia de oposição.
Exemplos:
1. Estamos felizes, porque sua decisão vai ao encontro da nossa.
2. Discutimos porque seus desejos vão de encontro aos nossos desejos.

EM NÍVEL, A NÍVEL DE?
É muito comum, principalmente em linguagem informal, a expressão “a nível de”.Contudo, seu emprego não é aceito pelos gramáticos, bem como de outra expressão: “em nível de”.
Na linguagem coloquial, as construções citadas acima tem significado aproximado de outras locuções, como “em âmbito”, “em termos de status”. Contudo, é melhor que o falante use palavras de sentidos indiscutíveis, para que não sofra constrangimentos em determinados ambientes sociais.
Então, quando for dizer orações do tipo: “Em (A) nível de capital, a Itália está praticamente falida.”, prefira dizer: “A Itália está praticamente falida, pois não tem capital.”
Porém, o uso de “a nível de” está correto quando a preposição “a” está aliada ao artigo “o” e significa “à mesma altura”:
a) Não posso dizer que quem mata está ao nível de pessoas que roubam, no que diz respeito às conseqüências.
b) Hoje, Florianópolis acordou ao nível do mar.
Da mesma forma, a expressão "em nível de" está empregada corretamente quando equivale a "de âmbito" ou "com status de":
a)A pesquisa será realizada em nível nacional.
b)A votação da nova lei federal será feita em nível de direção.
O importante é saber que as expressões "a nível de" e "em nível de" não estão erradas, mas são refutadas pelos gramáticos, ou seja, pela norma culta da língua. Há sim um exagero e o uso equivocado de tais locuções que já tomaram o lugar de outras como: "com relação", no âmbito", "em relação a", "no que concerne", "quanto a", dentre outras. Esse fato não é bom, pois delimita a língua portuguesa, a qual é vasta, versátil e rica em vocabulário!

EM PRINCÍPIO, A PRINCÍPIO?
Em princípio = Inicialmente, num primeiro momento
A princípio = Em tese (ou teoricamente)
Exemplos:
1. A princípio éramos contra a venda da fábrica, porém mudamos de idéia.
2. Em princípio, todas as religiões são boas.

EM VEZ DE, AO INVÉS DE?
EM VEZ DE = Em lugar de. Pode ser usado sempre que existir a idéia de “substituição, troca”, mesmo se for de oposição.
AO INVÉS DE = Ao contrário de. Só pode ser usado quando há a idéia de “oposição”.
Exemplos:
1. Ele entrou à direita ao invés de entrar à esquerda.
2. Fui ao clube em vez de ir à praia.

MAIS, MÁS, MAS?
Mais = Opõe-se a menos
Mas = Porém, contudo, todavia
Más = Plural do adjetivo má; opõe-se a BOAS.
Exemplos:
1. Hoje estou mais satisfeito.
2. Não foi convidado, mas veio à festa.
3. Não eram más idéias.

MAL, MAU?
MAU = é um adjetivo e se opõe a BOM.
MAL = Advérbio (Opõe-se a BEM) / Conjunção (=logo que, assim que) / Substantivo (=doença, defeito)
Exemplos:
1. Ele é um mau profissional.
2. Ele foi mal treinado.
3. Mal você chegou, todos se levantaram.
4. Ele está com um mal incurável.
5. O seu mal é não ouvir os mais velhos.

POR ISSO, PORISSO?
POR ISSO = Só existe esta forma na ortografia
PORISSO= Não existe
Exemplos:
1. Ele trabalha muito, por isso merece folga.
2. Não desista por isso.

PORQUE, POR QUE, PORQUÊ, POR QUÊ?
PORQUE = Conjunção causal ou explicativa.
PORQUÊ = Forma substantivada (antecedida do artigo “o” ou “um”.
POR QUÊ = Só no fim da frase.
POR QUE = Em frases interrogativas diretas ou
Indiretas / quando for substituível por POR QUAL,
PELO (a) QUAL, PELOS (a) QUAIS.
Exemplos:
1. Ele não foi, porque estava doente.
2. Quero saber o porquê da sua decisão.
3. Parou por quê?
4. Por que você não veio?

SENÃO, SE NÃO?

SE NÃO = Conjunção condicional = caso +
NÃO (advérbio de negação).
SENÃO = de outro modo, do contrário, mas sim, porém, apenas, somente, defeito, falha
Exemplos:
1. Se não chover, haverá jogo.
2. Resolva agora, senão estamos perdidos.
3. Não era caso de expulsão, senão de repreensão.
4. Não se viam senão os pássaros.
5. Não houve um senão em sua apresentação.

SOB, SOBRE?
SOB = Embaixo
SOBRE = Em cima de
Exemplos:
1. Estamos sob uma velha marquise.
2. A lágrima corria sobre a face.

TAMPOUCO, TÃO POUCO?
TAMPOUCO = Nem*
TÃO POUCO = Muito pouco
*Nem tampouco = Redundância
Exemplos:
1. Não trabalha tampouco estuda.
2. Estudou tão pouco, que foi reprovado.

TODO, TODO O?
TODO = Qualquer
TODO O = Inteiro
Exemplos:
1. Ele realiza todo trabalho que solicita.
2. Ele realizou todo o trabalho.

ONDE, AONDE?
ONDE = Advérbio de lugar. É empregada para indicar o lugar em que ocorre a ação ou estado verbal.
AONDE = Advérbio de lugar. É empregada para indicar o lugar para onde aponta a ação verbal. Sempre acompanha um verbo de movimento (ir, levar, entregar).
Exemplos:
1. Onde você passou a tua infância?
2. Eu vou aonde o trem me levar.

MEIO, MEIA?
MEIO = Advérbio (onde couber a expressão
mais ou menos)
MEIA = Adjetivo (onde couber a palavra metade)
Exemplos:
1. Elas estavam meio preocupadas.
2. São exatamente meio e dia e meia.

OBRIGADO, OBRIGADA?
OBRIGADO = O homem utiliza.
OBRIGADA = A mulher utiliza.
Exemplos:
1. Ele disse: obrigado por me receber.
2. Obrigada, disse a moça ao rapaz.

ANEXO, ANEXA, EM ANEXO?
ANEXO é um adjetivo, portanto, ele deve combinar com o nome ao qual se refere.
EM ANEXO = Invariável (= em apenso)
Exemplos:
1. Segue anexo o documento solicitado.
2. Em anexo segue a carta pedida.
3. As cartas estão anexadas ao documento.

ESTE, ESSE?
Este, esta e isto são usados para objetos que estão próximos do falante. Em relação ao tempo, é usado no presente.
Exemplos: Este brinco na minha orelha é meu.
Este mês vou comprar um sapato novo.
Isto aqui na minha mão é de comer?

Esse, essa, isso são usados para objetos que estão próximos da pessoa com quem se fala, ou seja, da 2ª pessoa (tu, você). Em relação ao tempo é usado no passado ou futuro.
Exemplos: Esse brinco na sua orelha é seu?
Esse mês que virá vai ser de muita prosperidade!
Isso que você pegou na geladeira é de comer?

Quando ficar com dúvida a respeito do uso de “esse” ou “este” lembre-se: “este” (perto de mim, presente) e “esse” (longe de mim, passado e futuro).

CRASE

CRASE EM LUGARES
1. Vou a Paris.
2. Vou à Itália.
Faça uso desse processo mnemônico
Se vou a e venho da, crase há;
Se vou a e venho de, crase pra quê?

CRASE COM DISTÂNCIA
1. O disco foi lançado a distância.
2. Ele estava a distância do grupo.
3. Foi lançado à distância de 60 metros.
Distância não definida, sem crase.
Distância determinada, com crase.

CRASE COM HORAS
1. A aula começa às oito horas.
2. Ele saiu às sete e quinze.
3. Vou lanchar daqui a três horas.
Hora exata de relógio, com crase.
Hora aproximada, sem crase.

CRASE PARA CASA
1. Voltei a casa ontem.
2. Regressou à casa materna.
Quando a palavra casa aparece acompanhada de um determinante, justifica-se a presença do artigo e se justifica o uso da crase, mas não é obrigatório.
Casa significando própria morada não aceita artigo, portanto não usa crase.

CRASE PARA TERRA
1. Os astronautas voltaram à Terra.
2. Estamos a bordo, mas vamos a terra.
3. Os marujos desceram à terra dos Vikings.
Uso de determinante justifica o artigo e a crase.
Em linguagem náutica, terra opõe-se a bordo e não usa artigo. Portanto SEM CRASE.
Normalmente a palavra TERRA aceita artigo e, portanto, CRASE.

CRASE COM ANTROPÔNIMOS FEMININOS
1. Fiz referência à Ester.
2. Apresentou elogios a Marlene.
Antropônimos têm artigo facultativamente, portanto têm crase facultativa.

CRASE NA MODA (DE)
1. Servia-se à francesa.
2. Cantava à Caetano Veloso.
Usa-se crase, mesmo antes de masculino, quando se tem subentendida a expressão “a moda (de)”.

CRASE COM SUBSTANTIVOS MASCULINOS
1. Refiro-me a Antônio.
2. Pinto a Óleo.
Antes de substantivos masculinos, não há crase.

CRASE ANTES DE VERBOS
1. Estava a pensar.
2. Estou disposto a vencer.
Antes de verbos, não há crase.

CRASE ANTES DE PRONOMES PESSOAIS
1. Dirigi-me a ela.
2. Dirigi-me a ti.
Antes de pronomes pessoais, não há crase.

CRASE ANTES DE PRONOMES DE TRATAMENTO
1. Refiro-me a Vossa Excelência.
2. Refiro-me a Dom Joaquim
Antes de pronome de tratamento, não há crase. (Exceção: Madame, Senhora, Senhorita e Dona).

Amplexos e até a próxima!

Um comentário:

  1. Olá, parabéns pela organização do conteúdo deste Blog. Gostaria de sugerir a correção das locuções (em princípio, a princípio), pois o conceito tá invertido, porém, os exemplos estão corretos.

    ResponderExcluir